Enquanto íamos “descobrindo” os números negativos ao ver a bailarina dançar sobre a reta para trás do zero, vi um sorriso surgir no rosto de uma das alunas: continuamos a atividade e em certo momento ela levantou a mão e disse animada “olha! Estamos entrando no mundo dos contrários!”. Tive que rir e disse “é verdade, não é legal?”, ela acenou com a cabeça e continuou a observar esse novo “mundo” que estava enxergando…