“Sora, se você tem um filho que tem outro filho que tem outro filho…não vai acabar nunca! Eu acho que o mundo nunca vai acabar!” “Se a gente for continuando com essa linha de números vamos sair da escola e depois do mundo e chegamos no universo! Uaaau, sora!” “Sora, se você quisesse contar até o último número, você ficaria contando até ser velhinha e morrer e mesmo assim não iria conseguir!” E foi nesse clima de entusiasmo que eu fiz a pergunta com a qual terminei a aula: “Agora sabemos que o maior número não existe, mas será que existe o menor?”. Uma aluna olhou intrigada para o grande espaço que eu deixei antes do 0 e se perguntou baixinho: “Pois é, mas o que será que tem antes do 0?”.